Comunidade Ampliada de Pesquisa-Ação: construindo saberes e práticas no diálogo cotidiano e afetivo com o território

Autores

Palavras-chave:

Promoção da saúde. Educação popular. Produção compartilhada de conhecimentos. Comunidade Ampliada de Pesquisa-Ação. Favelas.

Resumo

O artigo objetivou discutir os aprendizados com as  Comunidades Ampliadas de Pesquisa-Ação (CAP) em  favelas do Rio de Janeiro, como contribuição às  discussões conceituais e metodológicas no campo da  saúde coletiva, na perspectiva da Promoção  Emancipatória da Saúde e da Educação Popular. Com  as CAP, como foi sintetizada esta metodologia,  buscou-se responder a um dos principais desafios de pesquisas qualitativas em favelas: uma construção  metodológica que possibilite a compreensão da  forma por meio da qual os moradores desses  territórios experimentam e respondem às situações de saúde. O território, como categoria integrativa de  análise para compreender os processos de  determinação social da saúde, impõe à CAP se  configurar como uma rede de diálogos  interdisciplinares e entre diferentes agentes sociais. A  análise da base material documental produzida no  período 2003-2020, utilizando a sistematização de  experiência como metodologia de pesquisa, resultou  na identificação de três eixos que estruturam o  método CAP, metodologia assim denominada: 1) o  cotidiano como engrenagem da dinâmica da CAP; 2)  o território e os agentes sociais do diálogo; e 3) as  ferramentas artesanais de co-laboração com o  território. A partir desses eixos, conclui-se ser o  método CAP uma rede de produção de  conhecimentos e interlocução entre pessoas-lugares- territórios.

Publicado

2023-06-01

Como Citar

1.
Pivetta F, Cunha MB da, Porto MF. Comunidade Ampliada de Pesquisa-Ação: construindo saberes e práticas no diálogo cotidiano e afetivo com o território. Saúde debate [Internet]. 1º de junho de 2023 [citado 19º de julho de 2024];46(especial 6 dez):162-74. Disponível em: https://www.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/6899