A influência dos médicos nas políticas de recursos humanos em saúde: conclusões a partir da experiência brasileira

Autores

Palavras-chave:

Recursos humanos em saúde. Política de saúde. Medicina.

Resumo

O artigo analisa a influência dos médicos, como ator social, na produção da Política para a Força de Trabalho em Saúde no Brasil, especialmente a partir de 2003, quando assume a direção do Ministério da Saúde (MS) um grupo interessado em fazer o Sistema Único de Saúde (SUS) ordenar essa política, mas sofre a resistência das organizações médicas. Trata-se de um estudo de caso que utilizou o process tracing como metodologia, documentos e entrevistas como fontes, e o Neoinstitucionalismo como recurso teórico. Os principais resultados são a identificação de um longo período de estabilidade na política (1960-2002), devido à atuação da Comunidade de Política Defesa da Medicina Liberal (CP-M Liberal). A análise de um período (2003-2009) no qual houve tentativa de mudança por parte da direção do MS, mas sem sucesso naquilo que sofria a oposição da CP-M Liberal; de um período no qual essa estabilidade foi rompida (2010-2016); e, por fim, de um período no qual foi restaurada a estabilidade em favor da CP-M Liberal, revertendo diversas mudanças feitas no período anterior. Porém, tampouco esta comunidade conseguiu implementar suas propostas que sofriam a oposição dos demais atores que influenciam a política. A estabilidade tendeu à reprodução do status quo.

Publicado

2023-05-28

Como Citar

1.
Pinto H, Côrtes S. A influência dos médicos nas políticas de recursos humanos em saúde: conclusões a partir da experiência brasileira. Saúde debate [Internet]. 28º de maio de 2023 [citado 27º de maio de 2024];47(137 abr-jun):170-81. Disponível em: https://www.saudeemdebate.org.br/sed/article/view/8030

Edição

Seção

Artigo Original